sábado, 30 de novembro de 2019

Os jovens, os media e as culturas colaborativas














A literacia mediática não é de modo algum uma ideia nova. Podemos recuar até à década de 1970 e encontrar exemplos de projetos de pesquisa e educação no campo da literacia televisiva. O trabalho sobre literacia visual remonta ao início dos anos 1960; e a ideia de que os filmes requerem um tipo específico de literacia estava a ser desenvolvida pelos cineastas soviéticos Pudovkin e Kuleshov desde a década de 1930. Nas décadas mais recentes, tivemos literacia publicitária, literacia da Internet, literacia dos jogos, literacia da informação e literacia digital, entre muitas outras. 

Essas diferentes literacias dos media têm histórias e motivações bastante diferentes: algumas destinam-se principalmente a proteger os jovens de influências prejudiciais, enquanto outras se destinam a capacitá-los a criar os seus próprios media; algumas concentram-se em habilidades instrumentais, enquanto outras se referem ao desenvolvimento da consciência crítica; algumas são sobre a gramática básica do meio, enquanto outras adotam uma abordagem concetual muito mais abrangente. 

Falar sobre literacia nesse contexto é implicitamente reivindicar o status ou a importância dos novos media a par da linguagem escrita. Significativamente, também coloca questões sobre a aprendizagem. Pressupõe que compreender os media não é natural ou automático: não é algo que se possa aprender com a simples utilização dos media, ou algo que seja adquirido com pouco esforço. Pelo contrário, implica que - tal como acontece com a literacia tradicional - há um processo de ensino e aprendizagem mais ou menos deliberado que também precisa de ocorrer.

Obviamente, a literacia sempre foi um termo contestado. O que se entende por literacia, como a medimos, quem a define e por que o faz - essas são questões sociais e políticas. Precisamos prestar muita atenção ao trabalho que esse conceito está a potenciar e a que interesses serve. A literacia pode funcionar como um meio de empoderamento, mas também como uma tecnologia de controle social. Historicamente, é possível identificar 'crises' de literacia - momentos em que a literacia, ou a falta dela, passa a ser vista como um problema social. Às vezes, esse é um fenómeno geral, mas outras vezes é aplicada a grupos específicos da população em geral. Pode ser que estejamos num momento de crise agora, especialmente em relação às redes sociais. Mas é justamente nestes momentos que precisamos de ter um cuidado especial. Precisamos deste conceito? Por que precisamos dele e quem diz que precisamos? Quem, em particular, parece não ter desenvolvido competências literácicas, e qual é a base dessas reivindicações?

Nas duas últimas décadas, a literacia mediática tornou-se uma dimensão importante da política dos media. Os governos têm-se mostrado cada vez mais relutantes em regular os media, em parte por causa do seu compromisso com o chamado "mercado livre", mas também porque a tecnologia parece estar a derrotar as tentativas de controle centralizado. Como alternativa, os órgãos reguladores de todo o mundo são agora cada vez mais necessários para promover a literacia dos media.

A literacia dos media é também uma dimensão das políticas internacionais, por exemplo, na Comissão Europeia e na UNESCO. Nesses contextos, a litercia mediática apresenta uma espécie de apelo "feel-good": afinal, é bem provável que ninguém defenda a iliteracia mediática. Todos podemos concordar que a literacia mediática é uma coisa boa, desde que não investiguemos muito de perto o que realmente significa. Como resultado, a literacia mediática é frequentemente mal definida. Frequentemente parece ser mais um gesto retórico do que um compromisso concreto. Além disso, a literacia midiática é amplamente vista como uma responsabilidade dos reguladores dos media: mesmo agora, num mundo completamente saturado com media de vários tipos, muito poucos Ministérios da Educação parecem considerá-la uma prioridade.

Estabelecer uma base sólida para a educação para os media no currículo da escolaridade obrigatória tem sido uma longa luta, e há muito poucos lugares onde ela foi alcançada com sucesso. E, no entanto, a necessidade de literacia mediática - e de programas de educação para os media coerentes e rigorosos - parece ainda mais urgente do que nunca. Nos últimos vinte anos, o ambiente global dos media foi dramaticamente transformado. Surgiu toda uma gama de novas tecnologias, formas e práticas de media. Os utilizadores dos media receberam novas oportunidades de auto-expressão e comunicação; os media das empresas também aprimoraram bastante a sua capacidade de recolher e vender dados sobre os seus clientes. Os novos media nunca substituíram os media antigos, mas os limites entre a comunicação pública e a comunicação interpessoal tornaram-se cada vez mais nebulosos. Novos desafios surgiram, por exemplo, na forma de "notícias falsas", abuso on-line e ameaças à privacidade; enquanto preocupações mais antigas - por exemplo, propaganda, pornografia e 'dependência' dos media - assumiram novas formas. O ambiente global dos media é dominado agora por um número muito pequeno de fornecedores, em regime de quase monopólio, que controlam as plataformas e serviços de media mais usados. 

Os autores deste livro propõem uma nova forma de literacia dos media para nos ajudar a lidar com esta nova ecologia dos media - para responder aos novos desafios e aproveitar as novas oportunidades. Embora o rótulo deles - literacia transmedia - possa parecer novo, a abordagem que descrevem parece basear-se nas ideias e realizações de décadas de trabalho nesse campo. Existem muitas teorias abstratas sobre as características e os impactos dos novos media e suas implicações sociais e psicológicas. Agumas delas estão presentes nos vários contributos apresentados neste livro. No entanto, o que estes autores apresentam é uma pesquisa empírica concreta e um conjunto de ferramentas projetadas para serem úteis aos educadores. Eles oferecem uma taxonomia de habilidades e práticas de literacia dos media, que incluem os media sociais (redes sociais) mais recentes, mas também incorporam media antigos. Eles fornecem estruturas que nos ajudarão a refletir sobre o leque de práticas de aprendizagem formais e informais relacionadas com estes meios de comunicação. Apresentam, também, alguns materiais de ensino práticos que podem ser usados numa variedade de contextos educacionais.Inevitavelmente, o trabalho deles também levanta novas questões. 

Há uma forte ênfase aqui na aprendizagem informal. Isso reflete em parte as novas oportunidades de aprendizagem que estão a surgir nas configurações on-line - nas plataformas das redes sociais, nas comunidades de jogos, nos fãs de media e assim por diante. No entanto, a literacia mediática não é algo que se vá desenvolver espontaneamente, por vontade própria, usando simplesmente os media. Os utilizadores dos media mais ativos não são necessariamente os mais literacimente competentes. Na minha opinião, a literacia dos media exige um processo sistemático de estudo; e para o melhor ou para o pior, as escolas continuarão a ser instituições vitais (e de facto obrigatórias) a esse respeito. Tanto a aprendizagem formal quanto a informal ocorrem em diferentes contextos, tanto fora como dentro das escolas. Ambientes fora da escola (sejam eles mais particulares, como famílias ou mais públicos, como projetos de jovens baseados na comunidade) têm as suas próprias restrições; e os espaços on-line também são restritos e estruturados à sua maneira, tanto pelos imperativos comerciais das empresas que os fornecem, quanto pelas normas sociais que seus utilizadores desenvolvem e tentam impor. Nesse sentido, uma distinção binária entre "formal" e "formal" entre "formal" e "informal" não é especialmente útil. Por definição, a educação para os media envolve um encontro entre o conhecimento fora da escola - o que poderíamos chamar de conhecimento mais quotidiano e vernacular - e o conhecimento mais académico e de alto nível promovido pela escola. A forma como essas duas formas de conhecimento (ou essas duas variedades de literacia) interagem é complexa e frequentemente repleta de dificuldades. 

Há uma luta pela legitimidade aqui, que é travada no mundo da política educacional, mas também em muitas interações quotidianas na sala de aula. Atualmente, em muitos países, os formuladores de políticas educacionais parecem enfatizar as definições tradicionais de conhecimento e pedagogia. Nesta perspectiva, o objetivo da educação é essencialmente substituir o conhecimento vernacular pelo conhecimento académico legítimo. Por outro lado, os educadores de media sempre tentaram desenvolver essas formas de conhecimento quotidiano - reconhecendo-as como legítimas nos seus próprios termos, mas também procurando torná-las mais sistemáticas, mais abrangentes e mais críticas. O modo como conseguimos isso não é de maneira alguma um assunto linear, mas um desafio prático complexo.Finalmente, há também questões mais amplas aqui sobre as políticas de literacia mediática. Nos primeiros dias da internet, muitos entusiastas previram uma proliferação maciça de comunicação, participação e criatividade. É difícil negar que isso ocorreu - mas quase tudo está a acontecer em plataformas que pertencem e são controladas por um número muito pequeno de corporações comerciais. Neste contexto, a literacia mediática pode parecer uma resposta bastante individualista: coloca a responsabilidade pela segurança, pela privacidade, por lidar com fenómenos como as notícias falsas e os discursos de ódio, de novo no indivíduo.

Para alguns, isso pode até obstaculizar a necessidade de responsabilização pública adequada, de um espaço público não comercial e de uma regulamentação governamental. Empurrar a responsabilidade de volta para o cidadão individual (ou, mais frequentemente, para o consumidor individual) parece um pouco passar a responsabilidade para outrem. Existe o perigo de que a literacia mediática sirva como uma espécie de álibi para os insucessos e exclusões do capitalismo digital. Não há dúvida de que todos precisamos de educação para os media - ou educação transmedia, se preferirem. Mas num ambiente mediático cada vez mais complexo e desafiador, provavelmente também precisamos de respostas sociais e políticas mais radicais.

David Buckingham (2018). "Foreword", Teens, media and collaborative cultures. Exploiting teens’ transmedia skills in the classroom (Tradução da nossa responsabilidade, A.J.)

David Buckingham é Emeritus Professor, na Loughborough University, United  Kingdom e Visiting Professor, no King's College, London, United Kingdom





Transmedia Skills






O cinema em sala de aula | Ebook





Propostas de trabalho e relatos de experiências















A ideia deste livro surgiu da participação das autoras num simpósio temático ocorrido no Colóquio Internacional de Estudos Linguísticos e Literários (CIELLI), na Universidade Estadual de Maringá (UEM) em 2016, e coordenado pelas organizadoras deste livro. O simpósio pretendeu agregar pesquisas, estudos, relatos de experiências, tanto no âmbito da formação inicial, quanto na formação continuada, que se relacionam com o uso de obras cinematográficas em sala de aula como meio possibilitador de construção de saberes e (re)construção de identidades. Isso porque o cinema apresenta-se como linguagem que tem nas imagens em movimento diferentes possibilidades para construir e transformar identidades. Realizar uma leitura de um filme ou documentário obriga a desconstruí-lo para o reorganizar posteriormente, dando-lhe significados antes não percebidos. O simpósio procurou propiciar um espaço dialético de reflexão acerca da temática, a fim de contribuir para melhorias no quadro de formação do aluno da Educação Básica. 



Referência: Cinema na Sala de Aula. (2019). Syntagmaeditores.com.br. Retrieved 25 July 2019, from http://syntagmaeditores.com.br/Livraria/Book?id=1060






sexta-feira, 29 de novembro de 2019

Desenvolvimento Insustentável





Imagem: Marian Kamensky



Apesar de todas as boas intenções, as concentrações de dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa bateram recordes, mais uma vez, em 2018. 



Feira do livro | Ana Cristina Silva












Cartas Vermelhas, A segunda Morte de Anna Karenina e o Rei de Monte Brasil foram os três títulos de Ana Cristina Silva disponíveis na feira. A escritora estará na nossa escola, em janeiro de 2020, em data a definir.






Outros títulos da escritora:






Feira do livro | A voz das mulheres





27 e 28 de novembro de 2019

















Feira do Livro | Literatura juvenil



27 e 28 de novembro de 2019








Na secção infanto-juvenil, a Feira do livro contou este ano com uma presença significativa da Banda Desenhada, tema selecionado pela Rede de Bibliotecas de Vila Real para a Semana da Leitura 2020.










 








Continuamos a alaranjar a Camilo!




#16Days
#OrangeTheWorld



A turma do 12º F esteve ontem na Biblioteca, acompanhada da professora de Português, a produzir textos multimodais que vão alaranjar a nossa escola.

Aqui fica uma pequena amostra do processo criativo.





  


 


 


  




 





 








27 de novembro


Feira do livro




27 e 28 de novembro