terça-feira, 4 de outubro de 2022

MIBE 2022 | Tem a palavra ... o Ministro da Educação

 








Nas escolas portuguesas, já há muito que a biblioteca deixou de ser apenas um espaço ou um serviço prestado aos alunos.

Graças ao trabalho dos Professores Bibliotecários e da Rede de Bibliotecas Escolares, as bibliotecas são hoje uma plataforma crítica para a gestão curricular.

O currículo nacional português, estipulado no Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, é absolutamente claro sobre as finalidades da escola. No tempo de profunda transformação da nossa relação com o conhecimento, no tempo da avalanche de informação, no tempo em que o digital nos transforma e nos interpela, o desenvolvimento de competências que vão para lá da memorização torna-se urgente. Pensar criticamente, avaliar fontes de informação, debater, criticar, analisar, resolver problemas, trabalhar colaborativamente, integrar conhecimento são dimensões chave para o sucesso.

Na biblioteca, os saberes estão sempre cruzados e interligados. Por muito que tentemos arrumar os livros em secções estanques, eles dialogam entre si, os temas conversam, a ficção convida ao aprofundamento dos factos, os factos tornam-se chave para aprofundar a fruição. Não há, pois, flexibilidade curricular que não aproveite esta atmosfera de saber partilhado.

Na biblioteca, convida-se ao gosto pelo livro, ao tempo da leitura. A biblioteca é e tem de continuar a ser o lugar da relação com o tempo não imediato, em que a palavra se mastiga e se reflete sem ter pressa de saltar para a aplicação do lado. Convocam-se os alunos para o gosto, fala-se de livros e de leituras, cativa-se. Porque gostar de ler não é um gosto qualquer. Ler é ferramenta para a liberdade e não podemos ser cúmplices de contextos que não propiciam a liberdade. Por isso, a biblioteca escolar promove o gosto pela leitura. Porque é o oxigénio da respiração livre e não condicionada.

Na biblioteca, todos têm lugar. Os livros são diferentes, sorriem para perfis diferenciados, respeitam o ritmo e motivação. Sem a biblioteca não há educação inclusiva, porque a literacia inclui, dá mobilidade social, traz bem-estar.

Na biblioteca, descobrimos mundos que não estão “no programa”, no manual, na sala de aula. A cidadania constrói-se no debate, na pesquisa da perspetiva do outro, no confronto com as histórias que a História conta, na informação que desfaz o populismo e a demagogia.

Neste mês de outubro, celebramos as bibliotecas escolares, os seus profissionais, este foco de alegria e descoberta. Celebramo-la na certeza de que todo o desenho de política educativa tem convocado as bibliotecas para o seu contributo inestimável para um futuro com mais sucesso, onde todos aprendem e todos são mais livres.

Boas leituras, em outubro e no ano todo!

João Costa, Ministro da Educação


Tem a palavra… João Costa. (2022). Retrieved 4 October 2022, from https://blogue.rbe.mec.pt/tem-a-palavra-joao-costa-2647304




Mês Internacional da Biblioteca Escolar | MIBE 2022

 















MIBE 2022 - O cartaz da Camilo


Outubro é o Mês Internacional da Biblioteca Escolar (MIBE),  uma celebração anual das bibliotecas escolares em todo o mundo, uma oportunidade para darem a conhecer o trabalho que desenvolvem e mostrarem que não são apenas um serviço, mas um centro nevrálgico vital nas escolas. 

chamada à ação é da IASL (International Association of School Librarianship).

Em Portugal, o Dia da Biblioteca Escolar assinala-se na quarta segunda-feira do mês de outubro, em 2022, dia 24/10.

O tema proposto para este ano é LER PARA A PAZ E HARMONIA GLOBAIS.

Na Camilo, celebra-se o MIBE com atividades diversificadas: 

  • formação de utilizadores;
  • elaboração de marcadores para intercambiar com escolas estrangeiras;
  • reflexão, discussão e ação dos alunos sobre o presente e o futuro da educação (participação na iniciativa proposta pela RBVR "Transformar a educação: Dá voz às tuas ideias";
  • leituras na Biblioteca;
  • produção de mensagens sobre a Paz mundial;
  • celebração do Centenário de Agustina - Escola a ler Agustina;
  • Celebração do Centenário Saramago - exposição "Voltar aos passos que foram dados";
  • exposição de cartazes sobre  música;
  • ... 

Boas Leituras!

terça-feira, 27 de setembro de 2022

Ouvir e agir pela juventude



No âmbito do Plano Municipal da Juventude, o Município de Vila Real tem vindo a organizar diversas iniciativas direcionadas para os jovens, com particular enfoque num dos lemas deste Ano Europeu da Juventude "Ouvir e agir pela Juventude".

Uma dessas iniciativas decorreu na Biblioteca da nossa escola, hoje de manhã, e contou com a presença dos alunos Delegados e Subdelegados de Turma do 3º Ciclo e do Ensino Secundário. Foram oito, os temas em discussão: Saúde e qualidade de vida, Ambiente e sustentabilidade, Cultura, desporto e lazer, Associativismo e voluntariado, Emprego, empreendorismo e inovação, Habitação, mobilidade e emancipação, Educação, formação e Ciência, Participação cidadã e cidadania global.





 


 


Ano Europeu da Juventude 2022


#AEJ2022 e #EYY2022 #EuropeanYearofYouth #AnoEuropeudaJuventude





















Em 2022, assinala-se o Ano Europeu da Juventude (AEJ). Durante este ano, pretende-se, entre outros, colocar em evidência a importância da juventude europeia para a construção de um futuro melhor e o papel que os jovens podem desempenhar na construção da visão, dos valores e dos princípios europeus. Salienta-se, ainda, que 2022 é o momento de avançar com confiança e esperança numa perspetiva pós-pandemia.

A participação ativa dos jovens nos processos democráticos é crucial para o presente e para o futuro da Europa e das suas sociedades democráticas.

Os objetivos do Ano Europeu da Juventude 2022 são:

  • Renovar as perspetivas positivas das pessoas jovens, prestando especial atenção aos efeitos negativos que sobre eles/elas teve a pandemia de COVID-19, destacando a forma pela qual as transições ecológica e digital e outras políticas da União proporcionam oportunidades para a população jovem e a sociedade em geral;
  • Capacitar e ajudar os/as jovens, sobretudo aqueles/as com menos oportunidades, no sentido de se tornarem cidadãos/cidadãs ativos/as e agentes da mudança, inspirados/as num sentimento de pertença à Europa;
  • Apoiar as pessoas jovens na aquisição de uma melhor compreensão sobre as várias oportunidades à sua disposição no âmbito das políticas públicas a nível da União, nacional, regional e local, bem como na promoção ativa dessas oportunidades;
  • Integrar a política da juventude em todos os domínios políticos pertinentes da União, em consonância com a Estratégia da União Europeia para a Juventude 2019-2027, com vista a incentivar a inclusão de uma perspetiva da juventude a todos os níveis do processo de elaboração de políticas.

Os objetivos mencionados poderão ser atingidos através de:
  • Organização de conferências, eventos, de caráter cultural ou outro, e iniciativas políticas destinadas aos jovens para promover um debate inclusivo e acessível sobre os desafios com que se deparam os/as jovens;
  • Promoção da participação democrática e cidadania ativa dos jovens e reforço da utilização de instrumentos, canais e programas inovadores, que permitam aos/às jovens chegar aos/às decisores/as políticos;
  • Recolha de ideias, através de métodos participativos, num esforço de cocriação e execução conjunta do Ano Europeu;
  • Dinamização de campanhas de informação, educação e sensibilização para transmitir aos jovens valores como o respeito, a igualdade, a justiça, a solidariedade, o voluntariado, o sentimento de pertença e segurança, e de serem ouvidos/as e respeitados/as;
  • Criação de espaços e ferramentas de intercâmbio para transformar os desafios em oportunidades e as ideias em ações num espírito empreendedor;
  • Realização de estudos e investigação sobre a situação dos/as jovens na União, produção e utilização de estatísticas europeias harmonizadas e de outros dados pertinentes ao nível da União, bem como a divulgação desses resultados;
  • Promoção de programas, oportunidades de financiamento, projetos, ações e redes de interesse para jovens, nomeadamente através das redes sociais e de comunidades em linha;
  • Apoio a outras atividades suscetíveis de contribuir para os objetivos do Ano Europeu.

O Comité Diretor do Ano Europeu da Juventude, constituído por diversas entidades e coordenado pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), tem por missão promover as comemorações, no nosso país.

Assim, este Comité convida todas as escolas, associações de pais, associações de estudantes e outras entidades a associarem-se ao AEJ.


Registo no portal AEJ (Registo), para divulgação dos eventos realizados, no âmbito do Ano Europeu da Juventude 2022.





sábado, 24 de setembro de 2022

As mulheres são mais fortes

 

#CentenárioJoséSaramago







Concurso Todos contam

 





















Estão abertas as candidaturas para a 11.ª edição do Concurso Todos Contam, que distingue os melhores projetos de educação financeira das escolas portuguesas para o ano letivo 2022/2023.

As candidaturas aos “Prémios Escola” e ao “Prémio Professor(a)” devem ser submetidas até ao dia 7 de outubro de 2022, através do endereço eletrónico concurso@todoscontam.pt.

O que é o Concurso Todos Contam? 

O Concurso Todos Contam incentiva o desenvolvimento de projetos de educação financeira nas escolas.

É uma iniciativa do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros – Banco de Portugal, Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões – e do Ministério da Educação, através da Direção-Geral da Educação e da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional.

Que prémios podem ser atribuídos?

O Concurso Todos Contam atribui as seguintes categorias de prémios:

• “Prémios Escola” para distinguir os melhores projetos de educação financeira, a implementar nos estabelecimentos de educação e ensino durante o ano letivo de 2022/2023:
   o São atribuídos cinco “Prémios Escola”: um para a educação pré-escolar, um por cada ciclo do ensino básico e um para o ensino secundário; 
   o Pode também ser atribuído um prémio de continuidade para distinguir projetos plurianuais que tenham participado no Concurso Todos Contam ao longo de três edições consecutivas.
• “Prémio Professor(a)” para distinguir um(a) docente que se tenha destacado na implementação de projetos de educação financeira em anos anteriores.

Cada prémio corresponde a livros e materiais escolares no valor de 1000 euros.

Os prémios atribuídos na categoria “Prémios Escola” são entregues em duas fases: metade do valor do prémio será atribuída após o anúncio oficial dos vencedores e outra metade após o final do ano letivo 2022/2023, mediante prova da efetiva implementação dos projetos.

O anúncio oficial das candidaturas premiadas terá lugar durante a Semana da Formação Financeira 2022, dinamizada pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros na semana de 24 a 31 de outubro..

Quem pode concorrer?

Na categoria “Prémios Escola” podem concorrer agrupamentos de escolas, escolas não agrupadas, estabelecimentos de ensino particulares e cooperativos e escolas profissionais que ministrem a educação pré-escolar e o ensino básico e secundário.

Na categoria “Prémio Professor(a)” podem concorrer docentes dos estabelecimentos de educação e ensino que tenham implementado projetos de educação financeira em anos anteriores. 

Como pode concorrer? 
As candidaturas aos “Prémios Escola” e ao “Prémio Professor(a)” devem ser submetidas até ao dia 7 de outubro de 2022, para o endereço eletrónico concurso@todoscontam.pt

As candidaturas aos “Prémios Escola” devem ser submetidas sob a responsabilidade do(a) diretor(a) da escola ou do agrupamento de escolas ou do(a) diretor(a) pedagógico(a), através do envio da Ficha de candidatura constante do Anexo I do regulamento, devidamente preenchida e assinada.

As candidaturas ao “Prémio Professor(a)” devem ser apresentadas pelo próprio(a) docente ou pelo(a) diretor(a) da escola ou do agrupamento de escolas ou pelo(a) diretor(a) pedagógico(a), através do envio da Ficha de candidatura constante do Anexo II do regulamento, devidamente preenchida e assinada.

Consulte o regulamento do Concurso Todos Contam nesta página, no portal Todos Contam ou no site da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional (www.anqep.gov.pt).

Quais os requisitos das candidaturas?

Tendo por base o Referencial de Educação Financeira para a Educação Pré-Escolar, o Ensino Básico, o Ensino Secundário e a Educação e Formação de Adultos, os projetos e professores/as candidato(a)s devem:

• Sensibilizar para a importância da literacia financeira no quotidiano;
• Desenvolver conhecimentos e capacidades fundamentais para as decisões financeiras;
• Promover atitudes e comportamentos financeiros adequados;
• Promover a resiliência financeira e a criação de hábitos de poupança;
• Aprofundar conhecimentos e promover comportamentos adequados na utilização dos serviços financeiros digitais; 
• Sensibilizar para o impacto das decisões financeiras na sustentabilidade;
• Estimular a utilização dos recursos pedagógicos do Plano Nacional de Formação Financeira, como os Cadernos de Educação Financeira e os conteúdos e ferramentas disponíveis no portal Todos Contam.

As candidaturas devem ainda reger-se pelos Princípios Orientadores das Iniciativas de Formação Financeira do Plano. As candidaturas que incluam iniciativas desenvolvidas em parceria com instituições do setor financeiro, sem o enquadramento da respetiva associação setorial, não observam os Princípios Orientadores e, por essa razão, não são admitidas a concurso. 

 

Como são avaliadas as candidaturas?

As candidaturas são avaliadas segundo os objetivos prosseguidos pelo Concurso Todos Contam e de acordo com os critérios de avaliação e valorização previstos no regulamento para cada uma das categorias de prémio. 

A avaliação das candidaturas cabe ao júri do Concurso Todos Contam, constituído por Isabel Alçada (que preside), pelo Diretor-Geral da Direção-Geral da Educação, José Vítor Pedroso, pela vogal do conselho diretivo da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, Alexandra Figueiredo, por Maria Amélia Cupertino de Miranda e por Alexandra Marques.

DOCUMENTOS PARA DOWNLOAD

 Regulamento da 11.ª edição do Concurso Todos Contam 
 Anexo I – Ficha da candidatura na categoria “Prémios Escola”
 Anexo II – Ficha da candidatura na categoria “Prémio Professor(a)”

LINKS ÚTEIS RELACIONADOS


quarta-feira, 21 de setembro de 2022

O aviso do Diabo






Adaptação do conto “O Aviso do Diabo”, de Alexandre Parafita, recolhido em Barcos (Tabuaço), publicado no livro “Mitologia Popular Portuguesa”, Zéfiro, 2021. Um trabalho cénico da Prof.ª Bel Viana, da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), com a participação dos seus alunos.

... Como diz o povo, "o diabo não é tão feio como o pintam" e "também tem horas boas"