sexta-feira, 30 de novembro de 2018

A Ciência em exposição


De 26 a 30 de novembro

Para celebrar o Mês da Ciência, o Grupo Departamental de Ciências Experimentais promoveu uma exposição na Biblioteca com instrumentos laboratoriais e de minerais. 






















Novembro, Mês da Ciência


Ciência na Biblioteca



Alunos do 11º F partilham experiência(s) com os colegas mais novos do 9º B



No passado dia 14 de novembro, os alunos do 9º B tiveram uma aula diferente: deslocaram-se à Biblioteca para assistir a uma aula de Biologia, onde foram realizadas experiências laboratoriais pelos alunos do 11º F, coordenados pela professora Maria do Céu Freitas.









Novembro, Mês da Ciência


Emponderar mulheres e meninas






Sabia que:


  • 1 em cada 3 mulheres e meninas sofrem violência física ou sexual durante a vida, mais frequentemente por um parceiro íntimo.
  • Apenas 52% das mulheres casadas ou em união tomam livremente as suas próprias decisões sobre relações sexuais, uso de contracetivos e cuidados de saúde.
  • Em todo o mundo, quase 750 milhões de mulheres e meninas vivas hoje casaram-se antes de completarem 18 anos;  200 milhões de mulheres e meninas sofreram mutilação genital feminina (MGF).
  • 1 em cada 2 mulheres mortas em todo o mundo foram mortas pelos seus parceiros ou familiares em 2012; enquanto apenas 1 em cada 20 homens foram mortos em circunstâncias semelhantes.
  • 71% de todas as vítimas de tráfico humano em todo o mundo são mulheres e meninas, e 3 em cada 4 dessas mulheres e meninas são sexualmente exploradas.
  • A violência contra as mulheres é uma causa tão grave de morte e incapacidade entre as mulheres em idade reprodutiva como o cancro, e uma causa maior de problemas de saúde do que os acidentes de trânsito e a malária juntos.

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Marcadores com Ciência


Para celebrar o Mês da Ciência, os alunos de 7º e 8º anos identificaram cientistas e elaboraram marcadores, na disciplina de Ciências da Terra e da Vida, que se encontram em exposição na sala de leitura da Biblioteca. 







 





Spotlight | #HerStoryOurStory


Vídeojogo

A violência contra as mulheres é uma pandemia que afeta todos os países, mesmo aqueles que fizeram progressos louváveis ​​em outras áreas. Em todo o mundo, 35 por cento das mulheres sofreram violência física ou sexual por parceiro íntimo ou violência sexual por não parceiro. 

Em setembro de 2017, a União Europeia e as Nações Unidas uniram forças para lançar a Iniciativa Spotlight, uma iniciativa global que se concentra na eliminação de todas as formas de violência contra mulheres e meninas.





Como parte da Iniciativa Spotlight, a UE e a ONU lançaram #HerStoryOurStory - uma campanha conjunta que visa aumentar a consciencialização sobre a prevalência e o impacto da violência contra mulheres e meninas, demonstrando que todos nós - coletiva e individualmente - temos um papel a jogar no final. 

A campanha busca envolver um público amplo, internacional e local, usando um videojogo baseado na web que desafia os jogadores a pensar como reagiriam face a uma situação complicada. A campanha irá destacar os temas priorizados na Iniciativa Spotlight.

Entre em ação e participe do herstoryourstory.net


Orange the World 💛


Educação de mulheres e meninas em STEM



Stock.com/Snowleopard1


Apesar das melhorias significativas conquistadas nas últimas décadas, a educação ainda não está disponível de forma universal, e as desigualdades de género são generalizadas, muitas vezes em detrimento das meninas. 

Fatores socioculturais e económicos complexos e inter-relacionados dificultam as oportunidades que as meninas têm de frequentar a escola, a qualidade da educação que recebem, os estudos que realizam e, finalmente, as carreiras e os caminhos de vida que seguem. 

A maior preocupação é a baixa participação e o baixo rendimento das meninas na educação em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática (Science, Technology, Engineering and Mathematics – STEM). As áreas de STEM sustentam a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, e a educação em STEM pode fornecer aos estudantes os conhecimentos, as habilidades, as atitudes e os comportamentos exigidos para a construção de sociedades inclusivas e sustentáveis. 

Privar meninas e mulheres do acesso à educação e a profissões nas áreas de STEM não somente as priva de oportunidades para contribuir e beneficiar de STEM, mas também perpetua a disparidade de género e as desigualdades sociais e económicas mais amplas.








Este relatório visa a “decifrar o código”, ao desvendar os fatores que impedem ou facilitam a participação de meninas e mulheres, bem como o seu desempenho e a sua permanência na educação em STEM; e, em particular, o que o setor educacional pode fazer para promover o interesse e o envolvimento de meninas e mulheres na educação em STEM e nas carreiras dessas áreas. Pretende-se que o relatório sirva como um importante recurso para os envolvidos em educação, bem como para todos os profissionais que trabalham com igualdade de gênero.

Brasília: UNESCO, 2018. 86 p., il. 

Título original: Cracking the code: girls' and women's education in science, technology, engineering and mathematics (STEM)


Orange the World 💛

terça-feira, 27 de novembro de 2018

Troca solidária: uma compota por artigos escolares


Lápis, esferográficas, borrachas, cadernos...


A atividade Vamos alaranjar a Camilo! chegou à sala de professores e ganhou um cariz solidário: trocar um frasco de compota por 3 artigos escolares.

Os produtos angariados nesta campanha serão doadoss à HELPO - Lembramos que a representante desta ONG Desenvolvimento no Norte do país esteve na Biblioteca, no passado mês de maio, para apresentar o projeto que está a ser desenvolvido no norte de Moçambique, na área da educação.  







Vamos alaranjar a Camilo!


Onda laranja chega ao atelier de crochet e de tricot 









Violência doméstica


Em 1º pessoa



"Vocês têm o poder de acabar com a violência doméstica. Basta chamar a atenção para o tema."


 



Orange the World 💛


Violência baseada no género







Este ano, até 20 de novembro, já morreram assassinadas 24 mulheres. A informação é da Associação de Defesa dos Direitos das Mulheres.

É urgente combater as noções ultrapassadas de masculinidade e os estereótipos que perpetuam a violência contra as mulheres.







Orange the World 💛