domingo, 28 de fevereiro de 2016

Flash mob | Semana da Leitura


15 de março




Para celebrar a Semana da Leitura, a Biblioteca vai realizar um Flash mob no próximo dia 15 de março, da parte da manhã, em articulação com as Bibliotecas Escolares de Vila Real. Trata-se, pois, de um evento que se pretende seja mobilizador da participação dos alunos de todas as escolas de Vila Real, de todos os níveis de ensino.

Quem estiver interessado em participar deve dirigir-se à Biblioteca, até à próxima quinta-feira, dia 3 de março, para proceder à inscrição e obter informação mais detalhada.


quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Encontro(s) com autores: João Amaral


Como previsto, na passada segunda feira, os alunos do 9º D, 10º E e F, 11º E e F e 12º E e F deslocaram-se ao Auditório 1 para um encontro com o ilustrador e autor de banda desenhada João Amaral. 

O livro de BD Cinzas da Revolta constituiu o mote do Encontro e serviu, de algum modo, de pretexto para o autor explicar a génese e o processo de criação / elaboração do livro, feito em diálogo com o jovem argumentista Miguel Peres. João Amaral assina este livro com pseudónimo (Jihon). 

No final das duas sessões (às 11:35 e 13:15) o autor disponibilizou-se para uma sessão de autógrafos com dupla assinatura: o desenho e o texto.

Esta iniciativa contou com a colaboração da Leya. 


 http://recursos.wook.pt/recurso?&id=4043252







  










 

Exposção: Por mãos de Maria


Área de exposições da Biblioteca até 28 de fevereiro


















 



Exposição realizada no âmbito da parceria com a Fundação Casa-Museu Maurício Penha.


terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Blimunda 45



Fevereiro 2016



"A Blimunda de Fevereiro estreia uma nova secção, “Os livros do Desassossego”. A começar, o músico Mário Laginha mostra quais alguns dos livros que o acompanharam no concerto que integrou o programa dos Dias do Desassossego do passado mês de novembro.

O Museu Nacional de Arte Antiga lançou recentemente uma campanha, pioneira em Portugal, de financiamento coletivo para a aquisição do quadro «Adoração dos Magos», de Domingos Sequeira. A Blimunda entrevistou António Filipe Pimentel, diretor do MNAA, sobre esta iniciativa e sobre os desafios de dar mais visibilidade a um dos mais importantes museus portugueses.

Fora dos grandes grupos editoriais e longe das cadeias livreiras dominantes há um rico universo na área da banda desenhada. Dezenas de autores asseguram os seus projetos de edição, tirando partido da democratização dos meios de produção gráfica. A Blimunda conversou com O Clube do Inferno, uma das mais conceituadas editoras underground de Portugal.

A VII edição da Ilustrarte, Bienal Internacional de Ilustração para a Infância, teve como tema involuntário as casas, com todo o poder simbólico que elas representam. Neste número da revista visitamos as várias moradas construídas por ilustradoras e ilustradores.

Neste mês de fevereiro chega às livrarias o ensaio Aprende, aprende o meu corpo. Sobre o Amor na Obra de Saramago, de autoria de Óscar Aranda. Esta edição da revista publica o prefácio da obra, um texto de Helder Macedo sobre o Feminino na obra do autor de Ensaio sobre a Cegueira.

Boas leituras e até Março."



segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

The Web We Want para Educadores

 
 
1.png
 
 
 
The Web We Want para Educadores” é um manual que reúne um conjunto de recursos de apoio para a sala de aula sobre o uso responsável da Internet e dos dispositivos móveis. Este recurso encontra-se disponível em linha (http://www.seguranet.pt/sites/default/files/www_pt.pdf), em língua portuguesa, e contou com o envolvimento de professores portugueses.
 
Download
 
 

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Exposição: A Viagem do Elefante, de José Saramago

 

 
 




Está patente na Biblioteca Escolar uma exposição com os trabalhos realizados pelos alunos do 12º ano, turma E, na disciplina de Desenho A, a partir da leitura do romance de José Saramago, A Viagem do Elefante, sob orientação da Profª Alcina Gonçalves.

 

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Umberto Eco: In memoriam (1)


1932-2016



Foto: Jornal ABC



Semiólogo, filósofo, ensaísta, romancista, professor universitário, Umberto Eco interessou-se desde o início de sua carreira por diferentes campos e disciplinas. Após os primeiros estudos em filosofia e cultura medieval, já nos anos 50, tornou-se um observador atento da cultura popular contemporânea e meios de comunicação, mas também da ligação entre os vários códigos de comunicação artística e da sociedade. 

Em 1962, apresentou, com um texto no catálogo, a primeira exposição de Arte Programmata nas lojas Olivetti em Milão e em Veneza; no mesmo ano, publicou Obra Aberta, ensaio que influenciou profundamente a interpretação dos fenómenos artísticos contemporâneos, enquanto que em 1963 participou da experiência multidisciplinar do Grupo 63. 

Apocalíticos e Integrados (1964), foi seguido por A estrutura ausente (1968), Tratado de Semiótica Geral (1975), Lector in fabula (1979) e Semiótica e filosofia da linguagem (1984), bem como romances como O nome da rosa (1980), O pêndulo de Foucault (1988), Os limites da Interpretação (1990), Interpretação e superinterpretação (1992); A misteriosa chama da rainha Loana (2004), História da Beleza (coord.) (2004), História do feio (cood.) (2007), O cemitério de Praga (2010) e o Numero zero (2015). 

Editor da revista "Versus - Quaderni di studi semiotici", que fundou em 1971, como teórico, também escreveu para os jornais e revistas italianos mais importantes, nos campos da crítica, semiótica e literatura, como "Quindici" "Il Verri", "Alfabeta". 

Durante sua longa carreira, formou parcerias e amizades com escritores, filósofos, poetas, músicos e muitos artistas, incluindo Enrico Baj, Eugenio Carmi, Emilio Tadini.


Concurso Ensaio Filosófico




Ao abrigo do protocolo assinado em 13 de outubro de 2015 com a Associação de Professores de Filosofia (APF), a Rede de Bibliotecas escolares (RBE) associa-se à divulgação do concurso Ensaio Filosófico e de outras iniciativas da APF que contribuam para o desenvolvimento de competências de informação e do pensamento crítico, e que enriqueçam a reflexão sobre temas de grande impacto na atualidade.
Em tempos sombrios como parecem estar a transformar-se novamente os de hoje, com a violência, a intolerância, as ameaças à liberdade de expressão, o crescimento das desigualdades, o desemprego… por certo que muitos adolescentes se interrogam, procuram compreender as contradições do mundo que os rodeia e desejam encontrar sentido nas suas vidas. Este concurso da APF, dirigido a alunos do ensino secundário, pode constituir uma via de dar forma e conteúdo filosóficos a essas inquietações ou a outras – o tema é livre - desde que abordadas numa perspetiva filosófica.
A página Web da APF agrega um leque variado de recursos filosóficos, alguns dos quais exclusivos para subscritores, mas que poderão ser disponibilizados aos participantes no concurso Ensaio Filosófico.
De acordo com o Regulamento, os trabalhos candidatos deverão ser enviados para a APF, através do e-mail dir.apfilosofia@gmail.com até ao dia 1 de junho de 2016.
Qualquer esclarecimento adicional pode ser solicitado através do mesmo endereço eletrónico.

Umberto Eco: In memoriam (2)





Conversa em três partes





Publicado a 07/05/2015
Umberto Eco, Sulla memoria. Una conversazione in tre parti, 2015. Parte 1. Regia di Davide Ferrario


             



               































             



Publicado a 07/05/2015
Umberto Eco, Sulla memoria. Una conversazione in tre parti, 2015. Parte 3. Regia di Davide Ferrario








Publicado a 07/05/2015
Umberto Eco, Sulla memoria. Una conversazione in tre parti, 2015. Parte 2. Regia di Davide Ferrario




































quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Cronologias de Portugal contemporâneo


         
  



Apresentação do novo projecto da Fundação Francisco Manuel dos Santos: Cronologias, um repositório interativo do arquivo da RTP, alimentado com material das últimas cinco décadas: cronologias.


Sabia que os filmes do James Bond e Mary Poppins são anteriores à Música no Coração? E que no mesmo ano que Mary Quant lançava a moda da minissaia, o Japão estava a lançar um comboio de alta velocidade? Ou que houve um atentado em Lisboa, onde deflagraram 3 bombas? E quase dez anos depois de ser inventado o telemóvel, um telefone em Portugal demorava 34 meses a instalar?


São mais de dez mil factos sobre os últimos 55 anos, onde se encontram histórias surpreendentes mas também os acontecimentos políticos, económicos e culturais mais relevantes entre 1960 e 2015.

Cronologias de Portugal Contemporâneo, disponível online, é uma referência para todos os cidadãos interessados em conhecer, de forma rigorosa, a evolução do país nas últimas décadas.

Da autoria de Paulo Silveira e Sousa, António J. Ramalho e Octávio Gameiro, com revisão de três conceituados historiadores: António Duarte Silva, Fátima Patriarca e José Barreto, a informação está organizada por décadas e cinco áreas temáticas: Política, Cultura, Sociedade, Economia e Internacional. Através de uma navegação explorativa, cativante e intuitiva para o utilizador, é possível aceder de várias formas aos diferentes conteúdos. O motor de pesquisa é uma das principais ferramentas. Mas há outras “portas de entrada” para áreas interactivas com alguns acontecimentos em destaque, mapas com a factos por localidades ou cinco entrevistas a personalidades onde revelam o seu olhar sobre cada década. Toda a informação pode ser consultada no telemóvel e tablet, havendo vários filmes antigos ou notícias e peças de rádio, resultado de uma parceria com a RTP, que disponibilizou o seu arquivo.

Projeto histórias da Ajudaris





A Ajudaris é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) com estatuto de utilidade pública.

As
Histórias da Ajudaris são um dos seus vários campos de ação, tendo como objetivos fundamentais:
. Fortalecer hábitos de leitura e escrita;
. Promover a inclusão e a integração social através da arte;
. Despertar a solidariedade;
. Aproximar a escola das famílias e da comunidade;
. Fomentar a interação entre gerações;
. Impulsionar o voluntariado.
O Projeto Histórias da Ajudaris, criado em 2009, concretiza-se a partir da edição de livros escritos por crianças para crianças, centrados em temas como cidadania, afetos e ambiente. Vários estabelecimentos de ensino e ilustradores solidários participam na ilustração do mundo dos contos criados pelas crianças, através do seu envolvimento em workshops, exposições e outras atividades, das quais se destaca o concurso Histórias da Ajudaris.

Sendo uma das linhas de ação das bibliotecas escolares o “Reforço do valor social, cultural e educativo das bibliotecas junto das escolas e das comunidades, através de iniciativas e projetos de intervenção social”,
a Rede de Bibliotecas Escolares e o Plano Nacional de Leitura apoiam este projeto, que é mais do que um concurso, pois convoca a escrita e a leitura para atos de solidariedade e de cidadania, transformando-se numa importante mais-valia social.

No presente ano, o concurso
Histórias da Ajudaris, obedece ao tema Alimentação e decorre até 30 de março próximo. As escolas solidárias que pretenderem participar deverão inscrever-se até 19 de fevereiro de 2016, através do preenchimento do formulário disponível em linha.


Adaptação teatral d' Os Maias



                                                        Foto: ETCetera Teatro



Os alunos do 11º ano da nossa escola deslocaram-se hoje, dia 18 de fevereiro, ao auditório do Instituto da Juventude para assistir à representação de Os Maias, pelo grupo ETCetera Teatro.

Excelente espectáculo: a inteligente adaptação dramatúrgica e a qualidade da representação estiveram à altura da veia satírica e irónica de Eça de Queirós e do fresco caricatural que o autor desenhou da sociedade portuguesa do período da Regeneração.

Parabéns ao jovem elenco, em particular à Kátia / Maria Eduarda, ex-aluna da Camilo.



Segurança Digital nas Escolas – fevereiro 2016






quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Prova distrital do CNL'16



A Biblioteca Municipal de Chaves vai organizar, um vez mais, a prova de seleção distrital do Concurso Nacional de Leitura, que terá lugar no dia 21 de abril.

As obras escolhidas são as seguintes:




3º Ciclo



A ilha encantada, de Hélia Correia, versão para jovens de A tempestade de William Shakespeare




A terra que um homem precisa, de Lev Tolstoi



Ensino Secundário



O retrato, de Nicolai Gógol



Viagens submersas, de Rui Sousa



O Regulamento será divulgado em breve.


Segurança Digital nas Escolas – fevereiro 2016






terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Prova distrital do CNL'16







Concurso Nacional de Leitura - 2ª fase | Dia 21 de abril de 2016

A prova de seleção distrital do CNL vai ser organizada pela Biblioteca Municipal de Chaves.

Cartão vermelho ao bullying no Desporto

 
 



O Bullying é um problema que está cada vez mais presente no desporto.

Partindo do pressuposto que todas as crianças e jovens têm direito a praticar desporto, independentemente do seu nível, e de fazê-lo em condições de segurança e livres de bullying, o Instituto Português do Desporto e da Juventude, através do Plano Nacional de Ética no Desporto - PNED, e a Faculdade de Motricidade Humana, lançaram recentemente a brochura informativa: “Cartão Vermelho ao Bullying" direcionada principalmente a crianças e jovens.

Esta ferramenta pedagógica pretende clarificar alguns conceitos associados à temática, bem como as motivações presentes nos intervenientes e informar sobre os sinais e indicadores da violência.
 
 
 

Técnicas de expressão artística


Escultura em Assemblagem


Alexandre Silva, 8º B

 Ana Filipa Marques, 8º B

 Beatriz Pinto, 8º B

 Carolina Ribeiro, 8º B



Segurança Digital nas Escolas – fevereiro 2016






segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

O esconderijo secreto de Anne Frank

Fonte:http://www.annefrankguide.net/pt-PT/bronnenbank.asp?aid=28704



Este desenho dá-nos uma ideia aproximada do anexo secreto por dentro. Nele viveram oito pessoas: Anne Frank, os pais e a irmã, o casal Van Pels e o filho, Peter, e 
Fritz Pfeffer. Comparado com outros esconderijos, as pessoas aqui tinham muito espaço. Anne até o chama de esconderijo ideal.

Quarto de Anne Frank e Fritz Pfeffer medidas : 5.05 m comp x 2.09 m larg x 2.83 m alt

Quarto de Otto, Edith e Margot Frank medidas: 5.03 m comp x 3.13 m larg x 2.83 m alt

Sala de estar e quarto de Hermann e Auguste van Pels medidas: 5.68 m comp x 5.14 m larg x 2.63 m alt

Quarto de Peter van Pels medidas: 3.91 m comp x 2.11 m larg x 2.63 m alt

O sótão: 7.30 m comp x 5.68 m larg
As pessoas que viviam no anexo secreto não podiam ir à rua e tinham de permanecer em silêncio durante todo o dia. Viviam em constante medo de ser descobertos. Foi difícil para todos, e a tensão crescente por vezes irrompia em discussões.

The Secret Annex Online
O Anexo Secreto online é uma versão virtual em 3D do edifício situado no número 263 de Prinsengracht, Amesterdão, onde Anne Frank esteve escondida mais de dois anos durante a Segunda Guerra Mundial e onde escreveu o seu famoso diário.  



Estante por detrás da qual se situava a porta de acesso para o anexo secreto