sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Semana da leitura'15 | Concurso "Palavras do mundo em cartaz"


 
 
 
 
 
 
 
Convite à celebração da leitura e dos livros em todas as escolas, com crianças, jovens, adultos e respetivas comunidades.
 
 
A 9ª edição da Semana da Leitura (16 a 20 de março de 2015) vem propor que se associe à leitura a descoberta de títulos, de escritores e de Palavras do Mundo. 
 
«Palavras do Mundo», o tema proposto para este ano, é um convite à (re)descoberta da palavra escrita, dita, cantada, declamada, ilustrada, num contexto de partilha de gerações de escritores, de jornalistas, de cientistas, de políticos e de profissionais diversos que, na sua pluralidade de vivências do mundo, contribuam para que todos leiam em qualquer lugar, suporte ou contexto, dando visibilidade à leitura e à universalidade e intemporalidade da Palavra.
 
 
 
CONCURSO: Palavras do Mundo em Cartaz
 
 No âmbito desta 9ª edição da Semana da Leitura, realiza-se o Concurso «Palavras do Mundo em Cartaz».
 
 
 
Consulte o Regulamento.
 
 

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Livros & Leituras | Livros sobre o holocausto




Lerna Camilo: 


Porque é preciso lembrar o horror para não o repetir. 


A arte, nomeadamente a literatura e o cinema, tem dado um contributo relevante para manter viva uma realidade que ultrapassa todos os cenários passíveis de ser construídos pela ficção. 



 

 

 



Porque é preciso cultivar a memória da perseguição desumana do homem pelo homem.



segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

O regresso da borboleta azul



CIDADANIA


Photo credit: http://www.fciencias.com/2013/06/03/animais-wallpaper-e-ao-domingo/borboleta-azul/


Em plena serra do Alvão, um grupo e investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro/UTAD estuda há vários anos uma espécie já extinta em vários países da Europa. A borboleta azul tem encontrado em Portugal a sobrevivência e em particular num pequeno lameiro. O desafio dos investigadores é agora conseguir o cruzamento com outros indivíduos da mesma espécie para evitar os problemas de consanguinidade.




                         
          Paula Seixas, entomóloga da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro



 Maculinea alcon - Uma espécie em vias de extinção



A Câmara de Vila Real vai dispor de 1,7 milhões de euros para dois projetos de preservação das espécies ameaçadas no Alvão e no Marão. Uma nova esperança para a borboleta-azul.

Todos os Verões, grupos de jovens voluntários portugueses e estrangeiros trocam alguns dias das suas férias por trabalho na natureza, no Parque Natural do Alvão. Objetivo: salvar a borboleta-azul, uma espécie tão rara como estranha, que para sobreviver precisa das flores de genciana e de uma determinada espécie de formiga, em cujo formigueiro vive quase um ano.

A borboleta-azul está em risco de extinção em vários países europeus. Em Portugal é considerada em perigo desde 1994. A sua maior colónia pode ser observada no Parque Natural do Alvão, mas infelizmente algumas da suas populações reduziram-se drasticamente nas últimas décadas. Com um papel importante no ecossistema, não só como polinizadora, mas também como alimento da algumas aves e mamíferos, o estudo da Maculinea alcon tornou-se uma prioridade. É que não se conhece ao certo o número de populações existentes em Portugal.

"Neste momento estamos a trabalhar com quatro colónias, menos de metade das que existiam há uns anos. Três delas são muito pequenas e a maior, este ano com cerca de 4000 indivíduos em fase adulta, está instalada em Lamas de Olo", refere Paula Seixas, entomóloga da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

No Norte, vivem essencialmente em lameiros, prados permanentes de vegetação herbácea que se situam nas proximidades de zonas de água. A zona onde reside a maior população da espécie tem vindo a ser estudada há quatro anos. "Os resultados são animadores. verificou--se um aumento no número de indivíduos, desde o primeiro ano", diz a entomóloga.

As curiosas características do ciclo de vida da borboleta-azul são um dos principais fatores que a torna tão sensível. Depende da genciana (Gentiana pneumonanthe), que lhe serve de planta hospedeira para os primeiros tempos de vida; depois, já em fase larvar, é "adotada" pelo género de formigas myrmica, em cujos formigueiros vive quase um ano. Sai em adulta, reproduz-se e... vive apenas cinco a sete dias.

Henrique Pereira, biólogo do Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade, Departamento de Gestão de Áreas Classificadas do Norte, explica que "quando se alteram as utilidades dos terrenos agrícolas, vai também haver mudança na biodiversidade das espécies de fauna e flora. Se os agricultores abandonam os lameiros começa a haver concorrência entre as herbáceas e plantas como a genciana passam a ter dificuldade em se desenvolver. E a borboleta-azul fica em risco". Mas, por outro lado, a presença humana tornar-se um problema. "Quando começam a surgir construções, que vão degradar zonas ideais para o desenvolvimento da planta hospedeira e dos formigueiros", salienta o biólogo.

Os ninhos de formigas podem mudar de local todos os anos, já que apenas se estabelecem em zonas com sol e humidade, sendo que o processo de adoção das larvas também só funciona com algumas espécies do género myrmica. Em Lamas de Olo foi descoberta recentemente mais uma espécie de formiga do género com capacidade hospedeira. Segundo Paula Seixas, "registámos a presença da Maculinea alcon dentro dos formigueiros de uma espécie que não era conhecida na Europa como hospedeira, o que é um dado novo e importante do ponto de vista da ciência e investigação e estamos agora a trabalhar nele".
Esta complexa relação borboleta-azul, genciana e formiga que tem colocado a espécie numa situação precária tem vindo a ser combatida por algumas iniciativas locais. O Parque Natural do Alvão tem trabalhado em atividades de envolvimento de cidadãos na proteção e conservação do património natural, nomeadamente através de organização de campos de voluntariado com escuteiros, universitários ou outras organizações individuais. "Há uma ligação de destaque do Parque ao British Trust for Conservation Volunteers (BTCV) que anualmente coorganiza um campo de voluntariado internacional".

Durante esses dias trabalham-se algumas iniciativas, desde ações de combate a espécies invasoras, recuperação de áreas degradadas, melhoramento de habitats, até à conservação dos lameiros onde vive a borboleta-azul.

Desde 1993 estes pequenos grupos de voluntários britânicos e de outras nacionalidades trocam alguns dias das suas férias de Verão por um trabalho ao serviço da Natureza. "Nos finais de Junho, antes da floração da genciana e da emergência dos adultos da borboleta-azul, realizamos trabalhos de corte de arbustos e fetos dos lameiros referenciados para a espécie, visando facilitar o voo das borboletas, e as posturas nas flores de genciana". Em Janeiro próximo está programado o arranque de projetos a cargo da Câmara Municipal de Vila Real cujo investimento é de 1,7 milhões de euros.

Esperamos ter o mesmo sucesso que o Reino Unido, onde a espécie esteve quase extinta, mas foi salva através de um plano de recuperação de habitat, que permitiu reverter a situação.

Mariana Correia de Barros, "A um leve bater de asas da extinção", DN Ciência,25 outubro 2009, in


Lagarta de borboleta azul transportada por uma formiga. Photo credit: Paulo Ricca


Flor de genciana. Photo crediti: http://en.wikipedia.org/wiki/Gentiana_pneumonanthe

sábado, 24 de janeiro de 2015

Ano Internacional da Luz



 
CIDADANIA


 





A Cerimónia de Abertura do Ano Internacional da Luz e das Tecnologias Baseadas na Luz/2015 teve lugar nos dias 19 e 20 de janeiro, em Paris, na UNESCO HQ.

O evento juntou mais de mil participantes, que incluiu diplomatas internacionais, decisores políticos, laureados com o Prémio Nobel, CEOs e líderes da ciência e da indústria de todo o mundo.
 



http://www.light2015.org/Home/Event-Programme/2015/Other/Opening-Ceremony/Opening-Ceremony-of-the-International-Year-of-Light-2015.html



A Cerimónia de Abertura pode ser vista nos links abaixo, em francês ou na tradução inglesa.



Francês:

mms://stream.unesco.org/vod/IYL_1_fr.wmv
mms://stream.unesco.org/vod/IYL_2_fr.wmv
mms://stream.unesco.org/vod/IYL_3_fr.wmv
mms://stream.unesco.org/vod/IYL_4_fr.wmv



Inglês:

mms://stream.unesco.org/vod/IYL_1_en.wmv
mms://stream.unesco.org/vod/IYL_2_en.wmv
mms://stream.unesco.org/vod/IYL_3_en.wmv
mms://stream.unesco.org/vod/IYL_4_en.wmv







 "Light is Here", Instalação de Kari Kola e Valoparta, UNESCO HQ, Paris 2015





Mais vídeos sobre o  evento aqui.



O ano Internacional da Luz 2015 conta também com um  blogue e uma
página Web onde são disponibilizados múltiplos recursos (vídeos, artigos, notícias, experiências, histórias, ...) sobre a luz. 

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Blimunda 32



 

Blimunda # 32  - 25 anos de 

   Literatura Infantojuvenil






Janeiro 2015


O ano de 2015 será o oitavo de existência da Fundação José Saramago – o quinto sem o seu fundador – e o terceiro da Blimunda. Desde que em junho de 2012 foi publicado o número 1, deparamo-nos todos os meses com o desafio de fazer uma revista de acesso gratuito com qualidade e relevância”, diz o editorial desta edição de janeiro da Blimunda, que começa o ano empenhada em dar voz e espaço a diversas manifestações culturais.

Sara Figueiredo Costa visita o Museu da Marioneta, em Lisboa, lugar que preserva a história – não só portuguesa, mas de boa parte do mundo – dessa antiga tradição teatral. 

Ricardo Viel conversa com o escritor Mempo Giardinelli, cuja dívida de gratidão à Literatura culminou na criação de uma fundação em Resistencia, no Nordeste da Argentina, com o intuito de promover a leitura. 

João Monteiro apresenta a segunda parte do seu ensaio “Saramago at the movies” sobre as várias adaptações para o cinema de obras de José Saramago.

No início deste novo ano, estreia-se uma nova secção nas páginas da Blimunda, que será ocupada mensalmente com fotografias de utilizadores da comunidade Instagram, a quem lançámos o desafio de, com filtro ou sem filtro, partilharem as suas expressões artísticas. A começar, publicam-se dez fotos enviadas por três utilizadores, a quem agradecemos desde já a partilha.  

Andreia Brites faz uma expedição ao passado e recupera uma análise publicada pelo jornal Expresso há 25 anos sobre literatura infantil e juvenil. Como era vista há um quarto de século a produção para os mais pequenos? O texto responde a essa e outras questões.

A Saramaguiana traz um texto da investigadora Fernanda Cunha intitulado “A beleza serve-se fria”, em que a autora faz uma análise de Levantado do Chão – romance de José Saramago que completa 35 anos em 2015.

A terminar, os desejos de boas leituras e de um lúcido 2015. Até fevereiro!

Descarregar Blimunda # 32

CNL 2014/15 | 1ª fase







                   Ler+ na Camilo



Alunos selecionados


3º CICLO

1º Prémio: Maria Milagros Bustos, nº 21, 7º D

1º Prémio (Ex aequo): Inês M. Q. Sanfins da Costa, nº 10, 7º D

3º Prémio: Ana Beatriz Lopes Pires, nº 2, 7º D

Suplente: Gonçalo Barreiro Ribeiro, nº 9, 7º D




ENSINO SECUNDÁRIO

1º Prémio: André Cipriano Sousa, nº 3, 12º D

2º Prémio: Raquel Santos Borges, nº 23, 12º D

3º Prémio: Márcia Raquel Sousa Nogueira, nº 21, 11ºA

Suplente: Verónica Isabel Fonte Alves, nº 21, 11º H



Os alunos selecionados irão agora representar a ESCCBVR na prova de seleção, a organizar por uma Biblioteca Municipal do distrito de Vila Real, em local e data a designar.


Todos os alunos que participaram nesta fase do concurso estão de PARABÉNS!

Ler+ é saber+

A arquitectura anónima através dos trabalhos de Vicente Risco




Arquitetura rural galega - Exposição
 
átrio da Biblioteca | até 19 de fevereiro de 2015
                                            






 
 









quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Concurso | Histórias da Ajudaris´15



 

Histórias da Ajudaris’15

Estão abertas as inscrições








A Ajudaris é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) com estatuto de utilidade pública. As Histórias da Ajudaris são um dos seus vários campos de ação, tendo por grandes objetivos:

. Fortalecer hábitos de leitura e escrita;
. Promover a inclusão e a integração social através da arte;
. Despertar a solidariedade;
. Aproximar a escola das famílias e da comunidade;
. Fomentar a interação entre gerações;
. Impulsionar o voluntariado.

O
Projeto Histórias da Ajudaris, criado em 2009, concretiza-se a partir da edição de livros escritos por crianças para crianças, colhendo a inspiração em temas como a cidadania, os afetos e o ambiente. Assim, vários estabelecimentos de ensino e ilustradores solidários participam na ilustração do mundo dos contos criados pelas crianças, através do seu envolvimento em workshops, exposições e outras atividades, de que se destaca o concurso Histórias da Ajudaris.

A 7ª edição do concurso Histórias da Ajudaris
obedece ao tema Valores e decorre até 30 de abril, contando com o apoio da Rede de Bibliotecas Escolares e do Plano Nacional de Leitura.

As escolas que pretenderem participar neste concurso deverão inscrever-se até 15 de fevereiro de 2015, através do preenchimento do
formulário disponível on-line.

 

Ver regulamento.



A Ajudaris conta com a ajuda de todos para continuar a apoiar boas causas. A ajuda pode chegar através de parcerias, do trabalho de voluntários, da recolha de alimentos e vestuário, da aquisição de livros “Histórias da Ajudaris” ou através de donativos.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Exposição "A arquitectura sen arquitectos", de Vicente Risco


 
 
Exposição sobre a arquitetura rural da Galiza
 
 
 



Cada vez mais, a arquitetura é o símbolo mais claro da alma dos povos. Quando a estrutura da casa muda, é porque a alma do povo mudou, para a vida ou para a morte.

Vicente Risco, Mitteleuropa





Durante anos, negou-se-lhe a categoria de arquitetura a esta arquitetura popular. Negou-se-lhe como ato criativo dentro de uma cultura arquitetónica.

Manuel Gallego Jorreto, A Galicia Rural na Encrucillada
 
 
 
 
 
 


 
A  exposição "A arquitectura sen arquitectos" é propriedade da Fundación Vicente Risco e chega até nós através da parceria estabelecida entre a biblioteca da nossa escola e a Livraria Traga- Mundos, de Vila Real .





 
Logo da Fundación Vicente Risco


Escritor, pensador, político, Vicente Risco (1884-1963) foi um dos maiores pensadores peninsulares do século XX. 
 
Dedicou a sua vida a desenhar a Galiza como escritor singular, analisando-a como etnólogo e interpretando-a como intelectual, contribuindo para criar as bases do pensamento nacionalista galego.

Europeu, mas não europocentrista, sonhou com uma Europa das nações na qual a Galiza participasse em pé de igualdade.

sábado, 17 de janeiro de 2015

Filandorra - Teatro do Nordeste



 
Ciclo de Teatro para as Escolas com... Gil Vicente






 A Filandorra  – Teatro do Nordeste  - vai organizar mais um Ciclo de Teatro para as Escolas com... Gil Vicente.
 
A apresentação do espetáculo Auto da Barca do Inferno para os alunos do 9º ano de escolaridade é já nos dias 3,  4 e 5  de fevereiro (sessão às 10h30 e às 14h30), no Teatro de Vila Real.