quarta-feira, 30 de abril de 2014

 

Dia da Língua Portuguesa - 5 de maio

 

"A língua é ou faz parte do aparelho ideológico, comunicativo e estético da sociedade que a própria língua define e individualiza."
                                                                                                                Leonor Buescu
 
 
 
 
 
 


"não és mais do que as outras, mas és nossa,
e crescemos em ti. nem se imagina
que alguma vez uma outra língua possa
pôr-te incolor, ou inodora, insossa,
ser remédio brutal, mera aspirina,
ou tirar-nos de vez de alguma fossa,...

ou dar-nos vida nova e repentina."

Excerto de "Lamento para a língua portuguesa", de Vasco Graça Moura 




Vaso Graça Moura (1942 - 2014)
Poeta, ensaísta, ficcionista, tradutor.



Nos 50 anos de vida literária, o JL entrevistou Vasco Graça Moura, o "artesão" prodigioso


 Celebrar a língua portuguesa é celebrar também todos aqueles que, fazendo da lingua mater matéria prima do labor literário, nos foram dando a conhecer novas palavras, novos sentidos, novas virtualidades da língua, tornando menos nebulosa e acidentada a complexa relação pensamento / palavra, e nos foram dando a degustar uma poção mágica singular: a palavra alada que nos permite voar! 

Salve, Vasco Graça Moura!
 
 

 
Vasco Graça Moura fala do livro da sua vida: Os Lusíadas,
"um monumento esplendoroso da língua portuguesa"
 
 
 
 

«é no espaço naturalmente universal de uma língua que cada um tem a sua mais alta e a única maneira aceitável de ter pátria, não como mero instrumento de comunicação entre gente da mesma língua, mas como lugar onde a particularidade de um povo se simboliza e vive espontaneamente no universal. […] Nesse sentido, não é Portugal ou os países lusófonos que falam português, é a língua portuguesa que fala Portugal e esses países.»
 
Eduardo Lourenço, Nau de Ícaro – Imagem e Miragem da Lusofonia, p.185
 
 
 
Uma língua é fruto de alterações, de contaminações, de enriquecimentos e de empréstimos, que se sucederam e vão sucedendo ao longo do tempo.


 
 
PASSATEMPO
 




 
Entre na aplicação da Porto Editora em http://www.portoeditora.pt/especiais/dia-da-lingua-portuguesa.
Invente uma palavra nova.
Escreva a respetiva definição em Língua Portuguesa e partilhe-a com os amigos até 4 de maio.
As 10 participações mais votadas serão submetidas à avaliação de um júri.
 
Veja o Regulamento aqui.
 

terça-feira, 29 de abril de 2014

 
 

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA - FASE DISTRITAL

 
 
 
 
 
 
Programa da fase distrital do CNL



Conforme já foi anunciado, a fase distrital do CNL irá decorrer em Mondim de Basto, na próxima quarta-feira, dia 7 de maio. 
 
A Lia Melo, do 7º A, o Sérgio Bastos, do 9º C, Carlos Matos, do 9º E,  a Márcia Nogueira, do 10º A, a Verónica Alves, do 10º H, e a Ana Margarida Heleno, do 11º H, são os alunos selecionados para representar a nossa escola.

Lembramos que as obras escolhidas pela biblioteca responsável pela organização do evento são:



 3.º Ciclo do Ensino Básico:

O rapaz do pijama às riscas, de John Boyne

A Pérola, de John Steinbeck
 

 

  

 
 
 
Ensino Secundário:

Livro, de José Luís Peixoto

As velas ardem até ao fim, de Sandór Márai


 


Sugestão de leitura

 
__________________________Por João Pedro Montenegro Quinteira Sanfins da Costa    9ºE  





Crónicas de Allarya

 
Neste momento, estou a ler uma coleção de livros designada “Crónicas de Allarya”. Esta é composta por sete livros que, na minha opinião, são muito interessantes e, consequentemente, me fazem mergulhar nesse belíssimo enredo. Isto transmite-me uma enorme emoção e ansiedade por querer saber o épico final da história.

 Efetivamente, esta coleção retrata a aventura de um grupo de amigos que, num mundo imaginário onde existe uma grande diversidade de espécies (desde os horríveis drahregs até aos belos eahan), procuram saber o que aconteceu realmente ao pai da personagem principal. Esta ação vai-se desenrolando ao longo dos livros até ao esperado confronto entre as forças do mal e do bem.

 Por isso, eu aconselho a leitura desta coleção a todas as pessoas, pois, durante a história, surgem inúmeras batalhas e confrontos individuais que contribuem para a inevitável emoção por parte dos leitores. Além disso, apesar de haver momentos com muita descrição, podemos verificar o uso de um vocabulário muito rico o que leva a que possamos aprender novas palavras e, consequentemente, as usemos nas nossas redações.

 Em conclusão, eu escrevi este texto com o objetivo de apelar à leitura desta coleção, pois acho que é muito instrutivo e que quase todas as pessoas gostarão de a ler.




 
 
 
 
 

domingo, 27 de abril de 2014

Bibliofilmes |Selfies da Camilo em votação


Bibliofilmes

 

VAMOS TODOS VOTAR!
 
Está a decorrer a votação nas selfies apresentadas no concurso promovido pela Bibliofilmes, que a biblioteca da Camilo divulgou na Semana da Leitura.
 
Há fotos dos alunos da nossa escola a concurso.

Votem em   bibliofilmes.com!

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Poemas de abril

 


A 25 de Abril de 2014, comemoraram-se os 40 anos do derrube dos 48 anos de ditadura fascista em Portugal.
 
 
 
 
 
"A liberdade só existe quando todos os nossos atos concordam com todo o nosso pensamento."
                                                                                                                                                                     Agostinho da Silva
 
 


Liberdade, 25 de abril de 1974, de Vieira da Silva
 
 
«QUEM A TEM…»
 Não hei de morrer sem saber
qual a cor da liberdade.

Eu não posso senão ser
desta terra em que nasci.
Embora ao mundo pertença
e sempre a verdade vença,
qual será ser livre aqui,
não hei-de morrer sem saber.

Trocaram tudo em maldade,
é quase um crime viver.
Mas, embora escondam tudo

me queiram cego e mudo,
não hei de morrer sem saber
qual a cor da liberdade.
Jorge de Sena (1956)
 
 
 
Auto de proibição pela Censura no tempo do salazarismo
Disponível em http://agualisa6.blogs.sapo.pt/196422.html
 
 
 
Relatório de proibição, datado de 1967 e assinado por um Capitão com avença de leitor-censor, sobre o livro “A Mulher”, com tradução e edição brasileiras. O referido livro foi enviado pelos CTT para apreciação da Censura (como se vê, no Estado Novo, os Correios também desempenhavam função de vigilância e controlo) e mereceu o seguinte despacho do Capitão-Censor Borges Ferreira:
 

"É um livro científico, que todas as mulheres deviam ler, mas, para isso, devia ser tirado o capítulo XXXVII. É este capítulo que, a meu ver, estraga o livro e o torna impróprio de entrar nas nossas casas.
Sou, portanto, de parecer, salvo melhor opinião, que o livro deve ser proibido de circular.”
 
 
 
 
 
 
SONETO AO SENHOR CORREIO

Senhor Correio, Senhor Dom Correio,
por favor, por favor, Vossa Excelência
não abra as minhas cartas porque é feio
e tudo o que for feio falta à decência.

Eu leio as suas cartas? Não, não leio.
Se suas cartas lesse era demência.
Senhor Correio, veja se há um meio
de ter um pouco menos de inclemência.

Porque enfim o que escrevo a mim o devo,
Senhor Correio, é meu tudo o que escrevo,
e a tinta expressando as minhas falas.

É qualquer coisa mais que intimidade.
Senhor Correio, sabe que é verdade,
violar minhas cartas é matá-las.
MURALHA, Sidónio (2002). “Poemas de Abril” (1974), Obras Completas do Poeta
Lisboa: Universitária Editora, p. 253
 
Durante o regime totalitário do Estado Novo, para além da devassa da intimidade de cada pessoa, pela violação da correspondência, foram proibidas 3 300 obras. A Censura só viria a terminar com a Revolução de abril, em 1974.
 
 
                                                  Manuel Freire canta "Ouvindo Beethoven", de Saramago
 
OUVINDO BEETHOVEN

Venham leis e homens de balanças,
Mandamentos daquém e dalém mundo,
Venham ordens, decretos e vinganças,
Desça o juiz em nós até ao fundo.

Nos cruzamentos todos da cidade,
Brilhe, vermelha, a luz inquisidora,
Risquem no chão os dentes da vaidade
E mandem que os lavemos a vassoura.

A quantas mãos existam, peçam dedos,
Para sujar nas fichas dos arquivos,
Não respeitem mistérios nem segredos,
Que é natural nos homens serem esquivos.

Ponham livros de ponto em toda a parte,
Relógios a marcar a hora exata,
Não aceitem nem votem noutra arte
Que a prosa de registo, o verso data.

Mas quando nos julgarem bem seguros,
Cercados de bastões e fortalezas,
Hão de cair em estrondo os altos muros
E chegará o dia das surpresas.

     José Saramago, Poema à Boca Fechada, 1966
                                                                 Zeca Afonso, "Canção de embalar".  Ao vivo, no Coliseu dos Recreios, em 1983
 
 
 
                                                             Manuel Freire canta "Pedra Filosofal", de António Gedeão
 
 
Poucos, muito poucos foram os poetas que se mantiveram alheios aos anos de ferro e manha da ditadura salazarista. De forma mais explícita ou mais discreta, mais pessoal ou pública, com palavras de indignação, de denúncia ou verrina, raros foram aqueles que não lavraram um pequeno ou grande incêndio nos seus livros, num ou noutro poema, num verso apenas que fosse.

FANHA, José (2004). Apresentação De Palavra em Punho – Antologia Poética da Resistência. De Fernando Pessoa ao 25 de Abril, Porto: Campo das Letras.
 
 
 
José Mário Branco canta poema de Natália Correia. Do Álbum Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades, gravado em Paris, em 1971.

 
 

Cartaz pintado por Vieira da Silva, com a frase de Sophia «a poesia está na rua»

Trabalho realizado por Neuza e Ana Sousa, 11º G, 2014
 
 
"A metamorfose, 24-04-74 / 24-08-74", de Abel Manta. Publicado no Diário de Notícias em agosto de 1974.
 

11º G, 2014
 
 
25 de Abril

Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo

Sophia de Mello Breyner Andresen, in O Nome das Coisas
 
 
Ricardo, 11º G



Abril de Abril

Era um Abril de amigo Abril de trigo
Abril de trevo e trégua e vinho e húmus
Abril de novos ritmos novos rumos.

Era um Abril comigo Abril contigo
ainda só ardor e sem ardil
Abril sem adjetivo Abril de Abril.

Era um Abril na praça Abril de massas
era um Abril na rua Abril a rodos
Abril de sol que nasce para todos.

Abril de vinho e sonho em nossas taças
era um Abril de clava Abril em acto
em mil novecentos e setenta e quatro.

Era um Abril viril Abril tão bravo
Abril de boca a abrir-se Abril palavra
esse Abril em que Abril se libertava.

Era um Abril de clava Abril de cravo
Abril de mão na mão e sem fantasmas
esse Abril em que Abril floriu nas armas. 


ALEGRE, Manuel. 30 Anos de Poesia,
Lisboa: Publicações Dom Quixote


 


Liberdade 

— Liberdade, que estais no céu...
Rezava o padre-nosso que sabia,
A pedir-te, humildemente,
O pio de cada dia.
Mas a tua bondade omnipotente
Nem me ouvia.

— Liberdade, que estais na terra...
E a minha voz crescia
De emoção.
Mas um silêncio triste sepultava
A fé que ressumava
Da oração.

Até que um dia, corajosamente,
Olhei noutro sentido, e pude, deslumbrado,
Saborear, enfim,
O pão da minha fome.
— Liberdade, que estais em mim,
Santificado seja o vosso nome.

Miguel Torga, Diário XII
 


 

Conquista
 Livre não sou, que nem a própria vida
Mo consente.
Mas a minha aguerrida
Teimosia
É quebrar dia a dia
Um grilhão da corrente.

Livre não sou, mas quero a liberdade.
Trago-a dentro de mim como um destino.
E vão lá desdizer o sonho do menino
Que se afogou e flutua
Entre nenúfares de serenidade
Depois de ter a lua!

Miguel Torga, Cântico do Homem




SUGESTÕES DE LEITURA:
 
A memória literária da ditadura: autoridade, identidade, liberdade
ROCHA, Clara Rocha (2003). Ipotesi – Revista de Estudos Literários. Juiz de Fora: Programa de Pós- Graduação em Letras da UFJF, V. 7, n. 2,  pp. 29-39.
 
Universidade de Coimbra.
 
RIBEIRO, Margarida Calafate (1998). Portuguese Literary & Cultural Studies 1, pp. 125 -152.
 
MORAIS, Paula Fernanda (2005). Tese de mestrado. Braga: Universidade do Minho – Instituto de Letras e Ciências Humanas, julho de 2005.
 
 O 25 de abril na literatura para crianças e jovens.
FIGUEIREDO, Maria Augusta da Fonseca Pires (2006). Tese de mestrado. Lisboa: Universidade Aberta.
 

 
 
 

 

 
 

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Dia mundial do livro 2014

 

São Salvador do Mundo, de Valter Hugo Mãe

no Dia mundial do livro

 
 
 
 
 




No Dia Mundial do Livro, a Biblioteca convidou os alunos do 7º C e 7º D, e respetivos professores, para ouvirem a leitura de um conto de Valter Hugo Mãe, São Salvador do Mundo. 
 
 
 



 
 
 
O conto de Valter Hugo Mãe foi escolhido pelas professoras Rosa Caneças e Leonor Vaz de Carvalho que, depois da receção às duas turmas de 7º ano, no hall de entrada da escola, se deslocaram às salas  de aula - do 10º E e 12º E - para lerem para os respetivos alunos.
 
 
São Salvador do Mundo é um notável acidente paisagístico que regista a admiração e devoção humanas desde épocas longínquas, inserido numa área classificada como Património Cultural da Humanidade do Douro Vinhateiro. Ao longo das épocas Moderna e Contemporânea quase todos os autores referem a grande afluência de devotos ao Santuário. Hoje, a festa ainda se realiza todos os anos.
 
 
Miradouro de São Salvador do Mundo, em São João da Pesqueira, situado na margem esquerda do Douro, a 493 metros de altura.
À esquerda, o Santuário. Disponível em  http://www.osmeustrilhos.pt/2013/03/25/miradouro-de-sao-salvador-do-mundo/
 
 

 


O escritor Valter Hugo Mãe e o ilustrador Rui Effe também responderam ao desafio " Pintar o Verde com Letras" que a Delegação Regional da Cultura propôs. Valter Hugo Mãe descreve de uma forma muito particular as práticas costumeiras e devocionais que aí se praticam num ato propiciatório ao casamento: acredita-se que uma jovem que vá em peregrinação ao santuário, se conseguir dar um nó na rama de uma giesta com a mão esquerda, sem parar, se este nó depois não se desatar, ela casará no espaço de um ano.

Ilustração de Rui Effe


"e o rapaz passa calado, diz-lhe com os braços onde está, ela sabe, e ele não diz mais nada, porque falam mudos pelo coração. está por todo o lado no chão, esse sol quente e molhado a entrar pela videira. a moça para brevemente para o lanche, são salvador do mundo, pertinho, pertinho, envia-lhe um recado. se ela sentir que está tudo de maneira, talvez o possa ver de mais cerca, muito cerca, quase tocado. e o sol quente e molhado dá-lhe a ela uma cor também, e de pão e de barriga calma ela vai ao pé das águas, espreita, vê-o por ali apaixonado. não lhe diz nada, ele já sabe, e ela sabe, é o tempo que parece andar muito parado."

HUGO MÃE, Valter ( 2007). São Salvador do Mundo, Vila Nova de Gaia: Direção Regional da Cultura do Norte - Gailivro [pp. 11-13]


 
Os Quatro Tesouros, um livro escrito a pensar nas crianças do IPO do Porto
 
 
Valer Hugo Mãe fala do livro da sua vida: Metamorfose, de F. Kafka



Para saber mais sobre o escritor e a sua obra:

 - ver entrevista com Valter Hugo Mãe na Revista Os meus livros.

 - ver documentário no Youtube Quem é que tu pensas que és? 
Inspirado na célebre série «Who do you think you are?», que leva o escritor Valter Hugo Mãe a descobrir informações sobre a sua própria família e sobre o lugar onde nasceu, Saurimo, em Angola, onde nunca voltara.
Produção de Valentim de Carvalho para a RTP1. Ano de 2013.

 



 

quarta-feira, 23 de abril de 2014

 

Montra de livros de / sobre Trás-os-Montes e Alto Douro

 

 
 
 





Caretos transmontanos
 
 
 
 
 
 
 

Blimunda 23



Abril 2014






"Numa data tão simbólica para Portugal, a Blimunda não poderia ficar alheia ao aniversário de 40 anos do 25 de Abril. Neste mês a revista dedica boa parte dos seus conteúdo à celebração da Revolução dos Cravos. Do acervo de Vasco Gonçalves, em depósito na Fundação José Saramago, recuperam-se 15 cartazes do 25 de Abril, acompanhados por frases de 15 convidados, de diferentes países, sobre o significado desse momento histórico. Sara Figueiredo Costa escreve sobre Os Rapazes dos Tanques, de Alfredo Cunha e Adelino Gomes, um precioso registo da manhã em que a democracia renasceu. Há ainda espaço para A Hora da Revolução: vinte anos depois, um texto escrito por Eduardo Lourenço em 1994, inédito em português, e para O sabor da palavra Liberdade, discurso proferido por José Saramago em 1990.

Na secção Infantil e Juvenil, o 25 de Abril está em destaque com um mosaico de obras revolucionárias publicadas antes de 1974. Andreia Brites conversa com as três editoras independentes que este ano marcaram presença na Feira do Livro Infantil de Bolonha com espaço próprio.

A abrir este número, num dos poucos textos sem referência ao 25 de Abril, Sara Figueiredo Costa publica as suas impressões sobre a terceira edição do festival literário Rota das Letras, em Macau."



 

Dia Mundial do Livro

 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
Considerando que:

- o LIVRO é, historicamente, o instrumento mais potente de difusão dos conhecimentos,

 - todas as iniciativas para promover a difusão do LIVRO são um fator de enriquecimento cultural,

  - uma das formas mais eficazes de promoção do LIVRO é organizar todos os anos "O dia do livro",
 
a Conferência Geral da UNESCO, reunida em Paris, proclamou, em 15 de novembro de 1995, o dia 23 de abril "Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor". 
A escolha do dia 23 de abril não foi arbitrária... 

 
 
23 de Abril: dia de São Jorge, do Livro e da Rosa
 
 
S. Jorge e o Dragão, de Gustave Moreau
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Stgeorge-dragon.jpg
 
 
No dia de S. Jorge
 
http://www.portalangels.com/mensagens_e_poesias/mensagens-diversas/flores-virtuais/rosa-vermelha.html
 
 
 
uma rosa e
 
http://www.dannybia.com/danny/msg/l/livro_de_ouro.htm
 
 
um livro
 
 
 
 
São Jorge: a história e a lenda


Esta tradição, que combina o facto religioso, a rosa como símbolo do amor e o livro como símbolo da cultura, transformou o dia 23 de Abril na data mais comemorada, por todos os catalães.

Apesar da grande devoção que São Jorge despertou na Europa durante a Idade Média, pouco se sabe sobre a figura histórica: militar romano, cristão, foi martirizado por volta do ano 303 por não abdicar das suas crenças religiosas.

Etimologicamente, o seu nome, Georgius, quer dizer camponês. Esta é talvez a razão por que a comemoração litúrgica foi fixada em 23 de Abril, em plena Primavera, portanto, e as tradições populares fizeram dele o protetor das colheitas.


A ligação com a Primavera e o seu patrocínio dos namorados também o relacionam diretamente com a Feira das Rosas que, desde o século XV, se celebra na praça de Sant Jaume, onde está localizada a atual sede do Governo da Catalunha (Generalitat de Catalunya).

Em contraste com o pouco que se sabe sobre a história de São Jorge, a sua lenda está ampla e fortemente enraizada.

Uma tradição muito divulgada na Idade Média explicava que o martírio de São Jorge durou sete anos, diante de um tribunal formado por sete reis. Esta tradição, que lhe atribui uma grande tenacidade por não abdicar de sua fé durante sete anos de tortura, foi condenada até por Roma mas justifica que o jovem cavaleiro fosse invocado como patrono pelos cavaleiros e pelo Império Bizantino.

Naquela época, a sua ajuda era invocada para combater os infiéis. Foi escolhido como patrono pela Geórgia, pela Sérvia, pela Inglaterra, pela Grécia, por Aragão, pelos Países Catalães e por Portugal.

Surgiram também lendas e tradições sobre a sua ajuda aos exércitos cristãos. A lenda mais popular, escrita por Jaume de Vorágine na Llegenda Áurea, é a que explica a vitória de São Jorge sobre o dragão:

Num país não determinado, chamado Silene, um dragão aterrorizava os habitantes. Para o acalmar, ofereciam-lhe periodicamente um cordeiro e uma donzela escolhida por sorteio.

Mas um dia a sorteada foi a filha do rei; São Jorge venceu o dragão e libertou a donzela. Então o rei e todo o povo converteram-se à fé de Cristo.

Desde o século XIII, a imagem de São Jorge sobre um cavalo branco, libertando a donzela e vencendo o dragão, é a mais difundida de todas as lendas populares.

É muito difícil definir a data exata que marcou o início da tradição popular de oferecer rosas no dia de São Jorge. Deve ser muito antiga, já que, desde o século XV, há notícias da celebração da Feira das Rosas no dia de São Jorge.

Esta mesma antiguidade traz a tentação de buscar uma relação entre uma tradição popular e o simbolismo do amor cortês que a rosa representa.

Independentemente das possíveis teorias que possam justificar a tradição, o mais importante é que se tenha mantido viva e seja um símbolo indiscutível da Catalunha.

Em 1926, Espanha instaurou o dia 23 de Abril como Dia do Livro pois esta data coincide com a morte de Cervantes, imitando a Inglaterra que já o celebrava no mesmo dia porque também coincide com a morte de Shakespeare.
 
William Shakespeare (1564-1616)
Miguel de Cervantes Saavedra (1547-1616)
 
A celebração enraizou-se rapidamente em Barcelona e estendeu-se à Catalunha, mas o propósito oficial diluiu-se ao coincidir com o dia do Santo Padroeiro.
Enquanto em outros lugares se mantinha de maneira muito escassa ou desaparecia, na Catalunha tornou-se um dos dias populares mais celebrados e ao mesmo tempo ajudou muito a potenciar a difusão e a venda do livro catalão.
Assim, na Catalunha, 23 de Abril é o dia de São Jorge, da rosa e do livro: o dia do Santo Padroeiro, do amor e da cultura.

                                                                                      
http://www.catalonia.com.br/catala/catalunha_cultura5.asp (adaptado)